Archive for Novembro, 2007


DIA 1 e 2 de DEZEMBRO (SÁBADO e DOMINGO)

LOCAL: FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

“AJUDE-NOS A AJUDAR!”

Estaremos no:
Parque de Estacionamento do INTERMARCHÉ

Largo da Camara Municipal de Arruda dos Vinhos                

HORÁRIO :  
MANHÃ :  (10 h às 12H30)   
TARDE :     (14 h às 17h)

Esta campanha reverterá a favor das CONFERÊNCIAS DE S.VICENTE PAULO em Arruda dos Vinhos. Trata-se de uma Instituição que presta a pessoas de fracos recursos económicos, auxílio e assistência, quer a nível de fornecimento de bens alimentares, quer a nível  fornecimento de vestuário e calçado. 

Anúncios

Uma delegação de empresários portugueses vai aproveitar a Feira Internacional de Macau (FIM) para uma primeira abordagem ao mercado asiático, na expectativa de começar a vender na China continental, disseram hoje em Pequim empresários do ramo alimentar.

“Vou à Feira de Macau para validar a minha percepção do mercado chinês e para ver no local os diversos agentes. Será um óptimo instrumento para aferir a validade deste mercado para nós”, disse à Agência Lusa a administradora da Equanto, empresa de produtos alimentares biológicos, Margarida Reis.

A empresária de Arruda dos Vinhos, que sonha exportar pastéis de nata biológicos para a China, quer aproveitar a Feira de Macau para criar uma lista de distribuidores chineses.

“Face à nossa dimensão só tem lógica apostar em produtos de muita qualidade para conseguirmos uma diferenciação”, considerou Margarida Reis.

A Minho Fumeiro, que comercializa enchidos artesanais de Ponte de Lima, tem este ano um expositor na FIM com o objectivo de “encontrar um nicho de possíveis clientes”, disse à Lusa o director-geral da empresa, António Paulino.

“Queremos aproveitar a ligação histórica de Macau com Portugal para vender os nossos produtos na grande China”, acrescentou.

Os trisavós de Paulino, que começaram o negócio, nunca pensaram vender os produtos tradicionais da empresa nos maiores estabelecimentos comerciais da China, mas o empresário quer pontos de venda nas metrópoles chinesas tal como em todas as capitais da Europa até 2009.

Para além de Macau, onde chega a 20 de Outubro, o grupo de 20 empresários de Portugal continental, Madeira e Açores vai desenvolver contactos e conhecer as mais famosas zonas comerciais das maiores cidades da China, como Pequim, Xangai, Cantão e Hong Kong.

Francisco Barcelos, administrador da Quinta dos Açores e da Açorcarnes, diz “ter a sensação de que a China tem falta de produtos lácteos e poderá ser eventualmente um comprador de carne de qualidade”, como a que diz produzir nas pastagens dos Açores.

“Não sei bem o que vou encontrar em Macau”, admitiu.

No entanto, acrescentou, quer aproveitar a FIM “para saber o que pedem os consumidores chineses” e apostar depois num produto que inspire confiança e venda nas grandes superfícies das grandes cidades da China.

João Catalão, administrador da consultora comercial SalesUp, que organizou a viagem dos empresários portugueses à China, considerou que o problema do tecido empresarial português é a “falta de mundo”.

“Os empresários portugueses não trabalham em rede, mas cada um para si, no seu ‘quintalinho’. Têm uma visão muito redutora dos negócios internacionais”, acrescentou.

Na 12ª edição da Feira Internacional de Macau, que decorre entre 18 e 21 de Outubro em 18 mil metros quadrados do Centro de Convenções do casino The Venetian, participam 44 empresas portuguesas, três das quais com sede em Macau, num total de 889 stands.

Nos primeiros oito meses de 2007, a exportação de produtos portugueses para Macau representou 9,3 milhões de euros, enquanto Portugal comprou pouco mais de 200 mil euros à Região Administrativa Especial da China.

A presença portuguesa na FIM aposta no sector dos vinhos e produtos alimentares como café, carne, peixe e enlatados, incluindo empresas de transporte com redes na região e associações empresariais.
    
AZL
Lusa/Fim

Fonte: http://www.lusa.pt/lusaweb/user/showitem?service=310&listid=NewsList310&listpage=1&docid=7603895

Fernão Gomes

“A vida parecia decorrer sem grandes problemas na bucólica paisagem da Almada do século XV, quando a paz foi quebrada por um violento litígio que teve lugar em 1446, opondo Fernão Gomes aos frades de São Domingos, possuidores de uma quinta confinante com as suas terras, que lhes foram doadas em 17 de Novembro de 1378, por Pedro Afonso “Mealha’.

A querela relacionada com uns caminhos que passavam no limite das duas propriedades, azedou de tal modo as relações entre as partes e assumiu proporções tais, que mereceu a honra de ser registada, chegando a crónica dos factos aos nossos dias.

Por essa época, a propriedade que Fernão Gomes possuía em Alvalade passara a ser conhecida por Quinta das Farinhas, topónimo que derivava do apelido de família da mulher. Possuía ainda outros bens em Almada, Lisboa, Sesimbra, Arruda e em Santarém, no lugar de Azóia, onde se encontravam a maior parte das propriedades de um Morgado que Fernão Gomes instituíra em data e condições que não conhecemos com detalhe. ”

 Fonte: http://www.portugalweb.net/almada/pragal/oratorio.asp

Fonte original: In “Jornal da Região – Almada” de 15.11.2000 – “Cantinhos da Região”.

“Concluídas em 1446 d.C., durante a menoridade de D. Afonso V, as Ordenações Afonsinas tiveram longa gestação. Como lembra o Proêmio do Livro I, transcrito acima, foi no tempo de D. João I (1385-1423) que se iniciaram os trabalhos de compilação. O encargo foi confiado a João Mendes, Cavaleiro e Corregedor da Corte. Não tendo concluído a obra quando da morte do monarca, continuou nos trabalhos a pedidos do sucessor D. Duarte (1423-1438). Contudo, veio ele próprio a falecer logo depois, sendo substituído por Ruy Fernandes, do Conselho do Rei. É desta época o aparecimento de uma coleção cronológica de leis conhecida como Ordenações de D. Duarte que serviu, parcialmente, de preparação da compilação posterior, ao lado do Livro das Leis e Posturas. Para alguns autores, como Alexandre Herculano, teria sido obra de João Mendes. Para outros deve ser atribuído a Ruy Fernandes.  Após a morte de D. Duarte, o regente D. Pedro determinou ao compilador que se consagrasse inteiramente a essa tarefa. Terminada a obra na Vila de Arruda aos 28 de julho de 1446, foi submetida, a seguir, à apreciação de uma comissão revisora composta pelo Corregedor da cidade de Lisboa, Dr. Lopo Vasques, e dois desembargadores do Paço, Luis Martins e Fernão Rodrigues, além do próprio Ruy Fernandes. Feita a revisão, que reformou o texto em algumas partes,  aprovou-se a compilação  por mandato régio, expresso no mesmo Proêmio.

De acordo com Gama Barros,  “os juízes utilizariam as Ordenações não como uma lei, mas como uma compilação de leis de vários reinados, aplicadas na forma recolhida pelos compiladores. A compilação era uma registro prático e autêntico dos diplomas vigentes, como a própria forma que lhe foi dada inculca”.

Embora a autoria de Ruy Fernandes seja reconhecida, discute-se sobre a participação de João Mendes. Alguns autores entendem que este se limitou a coligir materiais (nas Ordenações de D. Duarte?), cabendo àquele o trabalho de sistematizá-los em livros e títulos.  Contudo, a Prefação da edição de Coimbra,  a propósito de diferenças na forma da redação, dá a entender que o primeiro livro pudesse ter sido de autoria de João Mendes, começando a partir do segundo o trabalho de Ruy Fernandes.

Fonte: http://www.turma175.net/ga/ano2003/2003_2_sem/hist/histapos.doc

1172 — Começa a construção da catedral de Ávila. Construção do minarete da mesquita de Sevilha, “La Giralda”. Morte de Ibn Mardanish, o “rei Lobo” de Múrcia, último a resistir ao avanço almôada. Seu filho decide submeter-se ao califa Abu Yaqub.
(?) Geraldo sem Pavor ataca e pilha Beja. Afonso I de Portugal entrega o castelo de Mosanto (dos templários) à Ordem de Santiago, além da vila de Arruda.

Fonte: http://www.ricardocosta.com/pub/crono3.htm

O Clube desportivo de À-Do-Barriga vai organizar no dia 11 de Novembro de 2007, o 2º Passeio de BTT

Percurso marcado: 25 e 35 km

(dificuldade média)

Concentração: Clube Desportivo de À-Do-Barriga (Junto ao nó da A10 – saída de Arruda dos Vinhos)

Abertura secretariado: 8h

Partida: 9h

Valor da Inscrição: 12 rodas

Inclui: Seguro, abastecimento, lubrificação das bicicletas no inicio, lavagem das bicicletas no fim, banhos para os participantes, almoço convívio e oferta

data limite da inscrição: 11 de Novembro

Contactos:

Tlm: 912 276 314 / 968 573 751

Fonte: http://bttralhos.blogspot.com/2007/11/2-passeio-do-barriga-arruda-dos-vinhos.html

De 3 a 11 de Novembro o Pavilhão Multiusos de Arruda dos Vinhos recebe a 10.ª edição da Festa da Vinha e do Vinho que este ano integra também a 1.ª Feira de Frutos Secos.

Criada em 1998 com o intuito de festejar a chegada do vinho novo numa região marcada desde sempre pelo cultivo da vinha, a Festa da Vinha e do Vinho tem-se afirmado, ao longo dos anos como um dos principais eventos gastronómicos da região Oeste.

9 restaurantes e 4 tasquinhas participarão neste certame, trazendo à mesa as melhores iguarias da região, e não só.

A animação é uma das grandes apostas da organização. Na edição deste ano estarão presentes Rouxinol Faduncho, Quinzinho de Portugal, Romana, Ronalda, Quim Roscas e zeca Estacionâncio e Micaela, para além de outros artistas locais e regionais. A tarde do dia 4 será especialmente dedicada às crianças com um espectáculo do Avô Cantigas.

Durante o certame decorrerá um concurso de sangrias nos restaurantes participantes e nos dias 9 e 11 a Cocktail Academy by Paulo Ramos mostrará a autêntica escola de bar Americana em Portugal.

Há também lugar para o desporto. O programa do certame inclui o II Passeio T.T. Rota dos Vinhedos, o XIX Passeio BTT e o Passeio Pedestre Rota da Vinha.

O programa do certame completa-se com exposição de artesanato e a 1.ª Feira de Frutos Secos.

Ladislau Batalha, (Lisboa 1856 – Arruda dos Vinhos 1939) escreveu mais de uma vintena de livros sobre múltiplos assuntos (política, história, filosofia, filologia, etc.) e publicou variadíssimos artigos, especialmente na imprensa operária.
A sua actividade literária e romanesca reduz-se, contudo, a três romances publicados e duas peças de teatro.

Fonte: http://jacintorodrigues.blogspot.com/2007_05_01_archive.html