Quatro técnicos e cinquenta e dois atletas abandonaram a secção de atletismo do Futebol Clube de Alverca (FCA) e transferiram-se para o Clube Recreativo Desportivo Arrudense (CRDA) em Arruda dos Vinhos. Divergências internas e falta de condições de treino estiveram na base da decisão dos responsáveis que foram seguidos por todos os atletas, deixando vazia a secção de atletismo do FCA.

O ex-coordenador lamenta que muitas das promessas feitas em Setembro do ano passado não tenham sido cumpridas. “A utilização de um espaço que até ao momento não está a ser usado por ninguém. Outra tinha a ver com a utilização dos balneários, com as condições da pista e a cedência de algum equipamento que se encontra em armazém a deteriorar-se. Passado um ano nada foi feito”, refere Alexandre Monteiro que acrescenta. “Em seis anos nunca utilizámos o pavilhão do Alverca. Tudo isto desgasta”, assegura.

O responsável por levar o atletismo para o FCA confirma contactos entre os seccionistas e a actual direcção do clube mas não houve entendimento. “Os meus colegas foram confrontados com a possibilidade de continuar. Apesar desta nova direcção ser mais dialogante, não houve alteração de posição e as condições mantinham-se. Saímos e todos os atletas acompanharam-nos de livre e espontânea vontade” garante.

Sobre a nova vida no Arrudense esclarece. “Tínhamos este projecto há seis anos com o apoio da Câmara de Arruda dos Vinhos só que os atletas estavam distribuídos. Agora concentramos o núcleo de Alverca no núcleo de Arruda e correm todos pelo mesmo. Mas só saímos porque o Alverca não nos deu condições”, assegura o coordenador que elogia as óptimas condições e todo o apoio encontrado em Arruda dos Vinhos.

Foi o que aconteceu no último campeonato regional (21 de Novembro) de iniciados onde o Arrudense se sagrou campeão em iniciados com atletas que se mudaram do Alverca para o CRDA.

Visão diferente tem o presidente do FCA que reuniu com os responsáveis na tentativa de chegar a um acordo e de cortar com as linhas do passado. “Apesar de o Alverca ter criado todas as condições e de ter tentado a todo o custo manter a estrutura do atletismo, os seccionistas não entenderam dessa forma, não mostraram interesse e saíram, refere Hélder Vieira.

O presidente vai mais longe e acredita que a decisão de abandonar o Alverca já estava tomada há algum tempo. “Faltou-lhes lealdade para me dizerem que já tinham compromissos assumidos e que estavam a trabalhar noutro sítio e não no Alverca. Estavam a jogar em dois tabuleiros ao mesmo tempo. Ninguém consegue formar uma equipa, seja do que for, em dois dias. Certo é que eles saíram de um lado e já tinham a equipa montada noutro sítio”, adianta.

Hélder Vieira mostra-se naturalmente triste pelo final de um projecto com seis anos, que trouxe bons resultados ao FCA mas também porque é menos uma modalidade que o clube deixou de ter e que está em stand by. Mas garante que anda à procura de uma entidade ou de alguém que tome a iniciativa de pegar na secção de atletismo e refunda-la. “Já surgiram algumas pessoas mas não tinham os requisitos. Não deixo que a secção comece com pessoas que não tenham as qualificações mínimas para liderar um grupo e jovens”, assegura o presidente do Alverca.

Fonte: http://semanal.omirante.pt/index.asp?idEdicao=420&id=59920&idSeccao=6469&Action=noticia