Archive for Setembro, 2010


– Praça de Toiros: José Marques Simões, em Arruda dos vinhos
– Data: 17 de Agosto de 2010, pelas 22.00 horas
– Empresa: Tertúlia “O Piriquita”
– Ganadarias: Pinto Barreiros, Vinhas, Conde de Cabral, António Charrua, Ruy Gonçalves e Herdade de Pégoras
– Cavaleiros: António Telles, Luís Rouxinol e Marcos Bastinhas
– Grupo de Forcados: Forcados Amadores de Santarém e Montemor, capitaneados por Diogo Sepúlveda e José Maria Cortes, respectivamente.
– Assistência: ¾ de casa
– Delegados da IGAC: Delegado técnico tauromáquico sr. António dos Santos, assessorado pelo médico veterinário Dr. Jorge Moreira da Silva.
Com organização a cargo da empresa Sociedade do Campo Pequeno, S.A., em conjunto com a dinâmica tertúlia “O Piriquita”, realizou-se mais um concurso de ganadarias em Arruda dos Vinhos, por ocasião das festas em Honra de Nª Sra. da Salvação. Cartel aliciante, constituído por duas das máximas figuras do toureio equestre português e um jovem à procura de afirmação. Para as pegas dois eternos e antigos rivais na arte de pegar toiros, em acesa, mas saudável competição.

Quanto aos toiros – talvez porque apenas disputassem o prémio bravura – eram díspares em apresentação e trapio. O exemplar vindo da ganadaria de Pinto Barreiros, com quatro anos e 480 Kg, era pequeno e sem trapio, com pouca força e impróprio para um qualquer concurso de ganadarias. Em termos de comportamento, teve mobilidade e colaborou na lide. A ganadaria Vinhas enviou um toiro também com quatro anos de idade, acusando na balança 530 Kg, com boa apresentação e que se mostrou reservado e de investidas suaves e sem apertar. O toiro de Conde Cabral, com quatro anos e 500 Kg, era de mau tipo, com a córnea muito fechada, um pouco escorrido de carnes e saiu manso encastado, a investir aos arreões, mas servindo para a lide. António Charrua levou um toiro com quatro anos e 620 Kg, de excelente apresentação e com trapio a condizer, mas que se revelou manso, a procurar tábuas, muito reservado e a esperar pelo cavaleiro. O toiro da Ganadaria do Engº Ruy Gonçalves, ferrado com o algarismo 5 na espádua direita e com o peso de 580 Kg, tinha excelente apresentação e trapio, doía-se ao castigo, era reservado e tapava-se no momento da cravagem dos ferros, adiantando-se muito às montadas. O último da noite, da Herdade de Pégoras, ferrado com o 5 na espádua e com 490 Kg, mostrou-se colaborante, com mobilidade, servindo bem para a lide. No final, o júri, constituído pelos próprios ganaderos, apesar da falta de bravura, atribuiu o prémio de toiro mais bravo ao exemplar da ganadaria de Pégoras, prémio contestado por grande parte do público.

António Ribeiro Telles esteve uma vez mais ao seu nível. No primeiro da noite, um toiro com pouca força e que não colaborava nas reuniões, deixou ferragem comprida algo traseira. Apenas o terceiro comprido resultou correcto em termos de colocação. Nos curtos, em sortes frontais e ao estribo, deixou quatro ferros de boa nota, sendo que o seu oponente não dava para mais. Já no segundo do seu lote, o mais pesado da corrida e um manso difícil de lidar, a lide do cavaleiro da Torrinha teve momentos de grande emoção, daqueles de fazer levantar as bancadas. Não foi, no entanto, nos compridos que tal aconteceu, com o primeiro a ser colocado às meia volta, sem citar e a cair, rectificando de imediato com a colocação de mais dois ferros de execução e colocação correctas. Nos curtos, com o toiro a fugir ao cavalo, negando-se a investir, o cavaleiro, sem qualquer intervenção dos seus subalternos, teve um trabalho de brega notável, indo buscar o toiro a tábuas, deixando-o em sorte e cravando de alto a baixo e ao estribo, com o toiro quase sempre a sair por cima da garupa do cavalo, em reuniões bem ajustadas e emocionantes. Quando o toiro já não saía de tábuas, optou por sortes sesgadas, mas de igual qualidade. Nota bem alta para os primeiro e quarto ferros, este em sorte a sesgo com reunião emocionante. No final da lide sofreu um forte toque na montada, depois de o toiro sair solto de tábuas, procurando fugir e apanhando o cavaleiro desprevenido, no momento em que se preparava para cravar.

Luís Rouxinol teve uma primeira lide de bom nível. Sempre de frente para o toiro na hora de cravar, deixou ferros em reuniões cingidas e como mandam as regras do toureio a cavalo à portuguesa, pese embora o toiro não emprestasse a emoção necessária nesses momentos. Rematou com vistosas piruetas na cara do toiro, sempre muito aplaudidas. Finalizou com um violino, um palmo a sesgo e um par de bandarilhas já sem toiro, o que o obrigou a duas passagens em falso antes de cravar. O quinto da noite, um toiro bem mais complicado, não permitiu ao cavaleiro de Pegões repetir o êxito que alcançou no seu primeiro. Optando por cravar com ligeira batida ao piton contrário, o toiro faltava debaixo do braço no momento de cravar, fruto do engano pronunciado. Rectificou, partindo de forma mais recta para o toiro, mas este adiantava-se e tocava na montada. Para levar os seus intentos por diante, teve que abrir o quarteio mais cedo para, assim cravar em sortes limpas e com correcção.

Marcos Bastinhas, ao lado de duas grandes figuras, não conseguiu estar ao seu melhor nível. Sempre a conduzir as montadas com as duas mãos nas rédeas, foi deixando ferros em viagens lateralizadas, com o quarteio muito aberto e algumas vezes já bem para lá do estribo. Nos ferros compridos da sua segunda lide andou bastante desacertado, com ferros a caírem e a falhar o toiro. No final da sua primeira actuação deixou um ferro curto e um de palmo em sortes de violino que foram muito aplaudidos pelo público.

Pelo Grupo de Forcados Amadores de Santarém abriu a noite Luís Sepúlveda, que citou com muita correcção, a andar bem para o toiro, mostrando-se e reuniu de forma correcta, para uma boa pega, bem ajudado pelo grupo e com o toiro a não complicar. Para a pega do terceiro da noite saiu João Brito, que aguentou bem o toiro e consumou uma muito boa pega à barbela, com o grupo mostrar coesão nas ajudas. A última pega do grupo foi executada por Manuel Roque Lopes, à 4ª tentativa, com o grupo em cima, sendo que na primeira saiu após o primeiro derrote do toiro, na segunda precipitou-se no cite e não recebeu da melhor forma, não conseguindo reunir e na terceira, com as ajudas mais carregadas não conseguiu agarrar-se. No final, num gesto de grande dignidade, não saiu para a volta, apesar da insistência do público, o que é de louvar.

O Grupo de Forcados Amadores de Montemor teve uma boa actuação, com três pegas ao primeiro intento. Para pegar o segundo toiro da noite saltou tábuas Frederico Caldeira, que citou com correcção, reuniu com impacto, fruto de não ter recuado com o toiro, aguentou bem os primeiros derrotes e consumou uma boa pega, com o grupo a ajudar bem. Filipe Mendes foi o escolhido para pegar o quarto da ordem, um toiro sério e difícil, que arrancou com muita pata mal avistou o forcado, que reúne bem, viaja até às tábuas, com entrada providencial do primeiro ajuda, aguenta fortes derrotes sozinho na cara do toiro, que foge ao grupo, que recupera bem, consumando uma grande pega já nos médios. No final duas voltas à praça merecidas, a primeira acompanhado do cavaleiro e do primeiro ajuda Hugo Melo. Para pegar o último toiro da corrida saiu António Vacas de Carvalho, que citou muito bem e, apesar de não reunir da melhor forma, consumou uma boa pega, sem que o toiro complicasse e bem ajudado pelo grupo.
O Mais e o Menos

+ O bom ritmo em que decorreu o espectáculo.
+ A proibição de entrada de público no decurso das lides.

– Nada a registar.

Fonte: http://bolasetetouradas.blogspot.com/2010/08/cronica-do-concurso-de-ganadarias-da.html

Anúncios

António Telmo Carvalho Vitorino, visto por muitos como mestre ou guru, e o maior representante vivo do grupo da Filosofia Portuguesa, discípulo de Álvaro Ribeiro (1905-1981) e companheiro de Agostinho da Silva (1906-1994), morreu ao princípio da manhã de hoje, sábado, no Hospital de Évora. Tinha 83 anos.

Na linha daquilo que expunham Teixeira de Pascoaes (1877-1952), José Marinho (1904-1975), Álvaro Ribeiro, Afonso Botelho (1919-1996), António Quadros (1923-1993) e também Agostinho da Silva, Telmo, que era, acima de tudo, um filólogo e um hermeneuta, há muito enredado na teia e na trama do esoterismo e do hermetismo, que defendia a especificidade do pensamento português.

António Telmo Carvalho Vitorino nasceu a 2 de Maio de 1927, em Almeida. Entre os dois e os seis anos, viveu em Angola com a família. Regressada a Portugal, fixou-se em Alter-do-Chão e, mais tarde, em Arruda-dos-Vinhos. António Telmo viverá por lá até aos 16 anos. Antes de ir estudar para a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, ainda morará em Sesimbra. Na sua infância e juventude, foi um auto-didacta: estudava em casa e fazia os exames em Lisboa.

Aos 23 anos, ingressa no grupo da Filosofia Portuguesa, após ter conhecido José Marinho e Álvaro Ribeiro. A convite de Agostinho da Silva e de Eudoro de Sousa (1911-1987), foi professor de Literatura Portuguesa, durante três anos, na recém-formada Universidade de Brasília. De lá seguiu para Granada e, só depois, é que voltou a Portugal. Foi director da Biblioteca de Sesimbra e posteriormente radicou-se em Estremoz como professor de Português. Deixa obra extensa.

Fonte: http://jn.sapo.pt/blogs/babel/archive/2010/08/21/morreu-250-ltimo-membro-da-filosofia-portuguesa.aspx

A primeira das corridas integradas nas Festas de Arruda, encheu a bem tratada e acolhedora praça na segunda-feira. O curro de toiros de Herdeiros de Conde Cabral, de apresentação muito semelhante, cumpriu de um modo geral, embora um ou outro desse mostras de mansidão.

O cavaleiro João Moura teve duas lides muito conseguidas, mesmo no seu difícil toiro que saiu em quarto lugar, no qual teve de recorrer à sua classe e experiência para cumprir a função.

Muito bem esteve o jovem João Ribeiro Telles, através de duas lides muito certas, em especial no quinto da noite, com bons curtos e dois ‘violinos’ a rematar.

O recém-alternativado Tiago Carreiras distinguiu-se na lide do que encerrou praça, marcando bem os terrenos e cravando bons curtos quando utilizou o seu cavalo ‘Quirino’, que foram muito aplaudidos.

Os forcados de Vila Franca de Xira Pedro Conceição (à segunda), Rui Godinho e Márcio Francisco (também à primeira), numa grande pega; e os de Coruche Carlos Tomás e Pedro Galamba (à segunda) com determinação e bem ajudado por José Tomás e Luís Gonçalves (à terceira) mostraram o seu reconhecido valor.

Dirigiu com a habitual competência José Tinoca, assessorado pelo veterinário José Manuel Lourenço.

Fonte: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/lazer/cultura/joao-ribeiro-telles-sobressai-em-arruda-dos-vinhos

O novo hospital de Vila Franca de Xira abre portas em 2013 e deverá servir 215 mil utentes. O contrato para a construção do novo hospital do concelho foi assinado esta sexta-feira entre o Governo e a autarquia local.

O hospital, em regime de parceria público-privada, vai substituir as actuais instalações do Hospital Reynaldo dos Santos e vai servir utentes de Vila Franca de Xira, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Azambuja e Benavente. A unidade terá uma capacidade anual de 16 mil internamentos, oito mil cirurgias, 192 mil consultas externas e 104 mil urgências e vai ter 280 camas de internamento, nove salas de bloco operatório e 33 gabinetes de consulta externa.

Na cerimónia, o primeiro-ministro, José Sócrates, fez o elogio do Serviço Nacional de Saúde, considerando que é o serviço público “onde estão expressos dois dos valores mais importantes das democracias modernas: em primeiro lugar, o valor da dignidade humana, mas o outro valor é também importante, o valor da igualdade. Nós queremos ser iguais”, afirmou o primeiro-ministro.

Fonte: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/ultima-hora/hospital-vai-servir-215-mil-utentes

Arruda dos Vinhos já tem um canal de web tv.

O canal foi lançado no dia 14 de Agosto, durante as Festas em Honra de Nossa Senhora da Salvação, e pretende promover o concelho de Arruda dos Vinhos

Para mais informações: http://www.arrudatv.pt/

05-09-2010

08:30  ›   Passeio Pedestre
09:30  ›   Atletismo – Grande Prémio Nossa Senhora da Ajuda
15:00  ›   Festival Etnográfico e Popular
– Rancho Folclórico Podas e Vindimas (Adulto e Infantil),
– Rancho Folclórico da Casa do Concelho da Pampilhosa da Serra,
– Marcha da Sociedade Recreativa Louricense
    
22:30  ›   Inauguração da iluminação nocturna da Festa de Nossa Senhora da Ajuda 2010, acompanhada por arruada com a Fanfarra dos Bombeiros Voluntários de Arruda dos Vinhos 
 

06-09-2010

21:00  ›   Vigília de oração com confissões 
 

07-09-2010
    
08:00  ›   Alvorada
21:00  ›   Chegada da “Banda de Música da Associação dos Bombeiros Voluntários de Vila Nova da Barquinha”, seguindo-se os cumprimentos aos Moradores e à Irmandade
22:00  ›   Procissão de Velas, da Capela de Nossa Senhora da Ajuda para a Igreja Paroquial de Arranhó, acompanhada pela “Banda de Música da Associação dos Bombeiros Voluntários de Vila Nova da Barquinha”, terminando com a Celebração da Palavra.

08-09-2010
 
08:00  ›   Grandiosa Alvorada   
09:00  ›   Chegada da “Banda Filarmónica da Mamarrosa” e da “Banda Filarmónica de Amares”, seguindo-se os cumprimentos aos Moradores, aos Visitantes e à Irmandade   
10:15  ›   Chegada das Entidades Oficiais convidadas, que serão recebidas pela Irmandade e pelas Bandas    
10:30  ›   Partida das Bandas para Arranhó 
11:00  ›   Início da celebração na Igreja Paroquial de Arranhó

A que se segue a Majestosa Procissão, para a Capela de Nossa Senhora da Ajuda, com a imagem da Padroeira Nossa Senhora da Ajuda e outras imagens, acompanhada pela “Banda Filarmónica da Mamarrosa” e da “Banda Filarmónica de Amares”. A Guarda de Honra será feita pelos Bombeiros Voluntários de Arruda dos Vinhos e pelo Regimento de Cavalaria da GNR. Como habitualmente esta procissão será integrada por diversas entidades oficiais, alas de anjos e milhares de fiéis. Termina com Missa Campal e Pregação
    
16:00  ›   Adoração do Santíssimo Sacramento (até às 20.00h)
16:00  ›   Abertura da Quermesse, abrilhantada com um magistral Concerto alternado pelas duas Bandas   
18:00  ›   Celebração do Sacramento da Reconciliação   
19:30  ›   Oração de Vésperas   
01:00  ›   Deslumbrante e Grandioso Fogo-de-artifício

09-09-2010

08:00  ›   Alvorada
09:00  ›   Chegada da “Filarmónica Bidoeirense” que apresentará cumprimentos à População, às Entidades Oficiais, às Colectividades, aos Visitantes e à Irmandade
09:30  ›   Perícia Automóvel e Moto Quatro com valiosos troféus
17:00  ›   Procissão no lugar de Nossa Senhora da Ajuda, acompanhada pela “Filarmónica Bidoeirense”, seguida de Missa Solene em honra da Padroeira 
19:00  ›   Abertura da Quermesse 
22:00  ›   Baile com o conjunto “Ganda Banda”, até às 3 horas da manhã

10-09-2010
    
08:00  ›   Alvorada
10:30  ›   Gincana de Bicicletas
14:00  ›   Abertura da Quermesse
16:00  ›   Actuação académica com a “Tuna Papas Misto” e a “Tuna de Enfermagem de Lisboa”
17:30  ›   Pamplona com troféu para a melhor pega
22:00  ›   Concerto ao vivo com a banda “Santamaria”

Baile após o concerto com o conjunto “Abel Alves”, até às 3 horas da manhã

17-09-2010
 
09:00  ›   Alvorada de 21 tiros a anunciar o início das festas
09:30  ›   Música difundida por aparelhagem sonora
20:00  ›   Abertura do Bar da Comissão (com bebidas e petiscos)
20:30  ›   Abertura da Quermesse com valiosos prémios
21:00  ›   Início do Arraial Popular com o Grupo de Baile Raul e Eu
22:30  ›   Largada de Toiros + 1 vaca, seguindo-se a noite da Sardinha Assada e Pão, oferta da Junta de Freguesia de Cardosas, após a qual se seguirá a continuação do Arraial até de madrugada.

 Entrada gratuita
 

18-09-2010
    
09:00  ›   Alvorada
09:30  ›   Música difundida por aparelhagem sonora
10:00  ›   Missa por alma dos paroquianos falecidos 
14:30  ›   Abertura do Bar da Comissão (com bebidas e petiscos). Abertura da Quermesse com valiosos prémios 
16:00  ›   Largada de 2 vacas + 2 vitelas
18:00  ›   Actuação do Grupo de Cantares e Música Popular “Janeiro Musical” 
21:00  ›   Início do Arraial no Largo com o Grupo de Baile Nova Onda  
22:00  ›   Actuação da Tuna Académica da Escola Superior de Gestão de Santarém – TAGES
23:00  ›   Actuação no Largo das Cardosas da Artista Bruna 
00:30  ›   Continuação do Arraial até de madrugada 
 

19-09-2010

08:00  ›   Alvorada  
08:00  ›   Música difundida por aparelhagem sonora
08:00  ›   Abertura do Bar da Comissão de Festas com bebidas e petiscos
08:30  ›   7.ª Concentração de Vespas
09:30  ›   Partida do 7.º Passeio de Vespas pelo Concelho de Arruda dos Vinhos
12:00  ›   Chegada das Vespas, seguindo-se o almoço para os participantes e inscritos
14:30  ›   Chegada da Banda de Música do Centro Cultural Azambujense
15:00  ›   Abertura da Quermesse com valiosos prémios 
15:45  ›   A Banda de Música acompanhará os Juízes da Festa: Fernanda Maria C. S. Baptista e António José Vieira Baptista, à Igreja 
16:00  ›   Missa solene em Honra do Padroeiro S. Miguel Arcanjo 
17:00  ›   Procissão em Honra de S. Miguel Arcanjo, acompanhada pela Banda de Música do Centro Cultural Azambujense
18:30  ›   Concerto pela Banda de Música do Centro Cultural Azambujense 
20:30  ›   Inicio do Arraial com o Grupo Cristais da Noite
    
21:00  ›   Desfile e actuação das Marchas
– Marcha do Clube da Louriceira
– Marcha do Clube Arrudense
– Marcha do Clube das Cardosas
    
22:00  ›   Continuação do Arraial
23:40  ›   Fogo-de-artifício 
00:00  ›   Continuação do Arraial até de Madrugada

18-09-2010

16:00 › Jogo de Futebol Feminino
17:00 › Jogo de Futebol Solteiros – Casados – Inter sócios
22:00 › Baile com o Teclista / Vocalista Paulo Pereira
19-09-2010

09:00 › Missa em Honra dos sócios falecidos
10:00 › Atletismo
13:00 › Almoço Comemorativo do 31.º Aniversário