No Externato João Alberto Faria,em Arruda dos Vinhos, com 1.600 alunos e 200 funcionários, prepara-se uma manifestação para a manhã do dia 15, contra os cortes orçamentais ao ensino privado.

Carlos Lourenço, presidente da Câmara, já garantiu que vai participar na manifestação.

A direcção do externato já disse que caso haja cortes na ordem dos 30% a solução “é fechar em Setembro” e mandar os alunos para os concelhos limítrofes

O alerta é do director pedagógico do externato, Nuno Faria, que garante que a situação “afecta pais, alunos e funcionários” e avisa que “o estado vai ter que criar alternativa caso a escola feche em Setembro”.

O externato vai promover esta quarta-feira uma marcha “juntos pelo EJAF” pelas ruas de Arruda dos Vinhos, “com as pessoas vestidas de branco, para tentar sensibilizar o governo” para as consequências dos cortes orçamentais, nos contratos com as escolas privadas.

O proprietário da escola investiu recentemente “oito milhões e meio de euros” ao fazer uma escola da raiz, ao fim de quase quatro décadas de ensino.

A situação do Externato João Alberto Faria contou já com a solidariedade do líder do CDS/PP. Paulo Portas afirmou no final da visita de ontem, que “na origem da decisão do governo está um preconceito ideológico contra o ensino privado de inspiração cristã”.

“A ministra da Educação deve preocupar-se antes de mais em apoiar o ensino de qualidade”, sublinhou o líder do CDS/PP.

Também a direcção do Externato de Penafirme, de Torres Vedras, esteve ontem presente no Externato de Arruda dos Vinhos a manifestar solidariedade com o externato de Arruda.

Fonte: http://www.oesteonline.pt/noticias/noticia.asp?nid=23119