Milhares de pessoas, entre alunos, pais e professores, desfilaram hoje pelas ruas de Arruda dos Vinhos, em protesto contra o corte de 30% nos apoios ao Externato João Alberto Faria.

O colégio assegura há quase 40 anos o ensino do segundo e terceiro ciclos do básico e o secundário num concelho sem alternativa pública, mas agora o Governo quer reduzir os apoios financeiros.

O presidente da Câmara de Arruda dos Vinhos, Carlos Lourenço, fala numa decisão inaceitável, até porque o mesmo Governo apoiou a construção do novo edifício do colégio.

“Gastaram-se aqui milhões de euros numa escola que é nova, que também foi em parte financiada pelo próprio Governo e agora está-se a meter tudo isto em causa”, afirma o autarca.

A poucos dias das férias do Natal, e sem saberem se a escola reabrirá, os pais ponderam já todas as hipóteses. Hernâni Silva presidente da Comissão de Pais, equaciona mesmo o pagamento de propinas.

Neste momento, está ainda tudo em aberto. Para já, protesta-se na esperança de que as vozes de Arruda cheguem ao Ministério da Educação.

Os cortes nos apoios aos colégios com contrato de associação vão avançar já em Janeiro. A informação foi confirmada esta manhã à Renascença por fonte do Ministério da Educação.

Com a entrada do Orçamento do Estado para 2011, os 93 colégios nessas circunstâncias vão passar a receber menos dinheiro. Ainda assim o secretário de Estado da Educação João Trocado da Mata garantiu, em declarações à Renascença, que nenhum colégio teria de fechar portas por causa do corte previsto.

Fonte: http://www.rr.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=92&did=133219