O Externato João Alberto Faria, em Arruda dos Vinhos, pondera acção judicial contra o Ministério da Educação, depois de ter decidido reduzir em 20% os salários dos funcionários docentes e não docentes, devido ao corte no financiamento, revelou Nuno Faria, director do Externato.

“Tencionamos colocar o estado português em tribunal, a decisão deve ser anunciada esta semana”, adianta o director do Externato.

Já na terça-feira vão reunir-se professores, pais e direcção da escola, porque em causa “estão vencimentos que podem estar a sofrer cortes ilegais”.

Foi o corte de financiamento, na ordem dos 30%, “a meio do ano, quando existem contratos assinados com o Ministério para o ano inteiro, que consideramos ilegais, inconstitucionais e sobretudo injustos, que nos levou a ponderar a acção judicial contra o Ministério”, apontou o responsável.

Assim, o director do Externato de Arruda dos Vinhos defende que o Ministério da Educação “deve ponderar caso a caso” os cortes nos apoios ao ensino privado e cooperativo.

O Externato vai e passar a receber 90 mil euros por turma, a partir deste mês, e 80 mil, a partir de Setembro próximo, contra os 113 mil euros por turma e por ano que recebia anteriormente.

Em causa está o ensino de 1.600 alunos, e a vida profissional de 140 professores e 40 funcionários.

 Fonte: http://www.oesteonline.pt/noticias/noticia.asp?nid=23186