Quanto à vida profissional e eclesiástica, sabemos apenas que, em 1610, foi secretário do arcebispo de Évora d. diogo de sousa em 1625, Roboredo era o preceptor (mestre) de d. duarte e de d. francisco de Castelo Branco Coutinho, filhos de d. francisco de castelo Branco e netos de d. duarte de castelo Branco, conde de sabugal, meirinho-mor do reino e vedor da fazenda. nesta época, também era o professor particular dos filhos de d. Baltasar de teive, um fidalgo espanhol a residir em portugal, (talvez) natural de salamanca. dois anos mais tarde, em 1627, amaro de roboredo era beneficiado da igreja de nossa senhora da salvação, em arruda dos vinhos, pertencente à vigararia de alenquer, da diocese de lisboa (11).

(11) segundo o pároco de nossa senhora da salvação, em arruda, não há qualquer documento da época nessa paróquia nem há qualquer dado sobre roboredo em monografias locais. no entanto, e de acordo com o mesmo pároco, no século Xvii, o reitor e, mais tarde, o prior de arruda era apresentado pelos cónegos regrantes de santo agostinho, a partir da igreja da graça, em lisboa, os mais pertenciam ao mosteiro de s. vicente de fora. no entanto, ele apenas era beneficiado lá e arruda tinha, nesta altura, seis (6) beneficiados, para além do prior. daí não podermos concluir se roboredo pertencia à ordem dos cónegos regrantes de santo agostinho. tudo parece indicar que amaro de roboredo seria um padre secular.

Fonte: http://dlac.utad.pt/7.%20Methodo%20Grammatical_Estudo%20Introdut%F3rio.pdf