Category: Instituições


A direcção da Agrocamprest enviou, em Agosto, uma proposta formal de fusão à vizinha Adega Cooperativa de Arruda dos Vinhos. Os autores da proposta aguardam, ainda, uma resposta da direcção da adega, mas acham que esta fusão “seria benéfica para as duas instituições e para os agricultores da região”.

Actualmente, a cooperativa Agrocamprest, criada em 1977, tem cerca de 4400 sócios e um volume de negócios de 10 milhões de euros. A Adega Cooperativa reúne cerca de 1200 sócios e tem um movimento anual da ordem de 1, 5 milhões de euros. As escassas dezenas de metros que separam as instalações das duas cooperativas poderão ser mais uma vantagem numa eventual fusão e o facto da grande maioria dos sócios da Adega também serem sócios da Agrocamprest poderá ajudar.
Segundo o presidente da Agrocamprest, Luís Alenquer, uma proposta semelhante foi colocada pela Agrocamprest à Adega há cerca de 7 anos mas não teve resposta positiva. “Achámos que era altura para fazer novamente esta proposta à Adega Cooperativa, temos ideias para o futuro desta região ligadas à vinha, ligadas às castas e à cultura da vinha, para não abandonar. Por isso fizemos essa proposta e estamos a aguardar”, explicou ao Voz Ribatejana.
Fonte: Voz Ribatejan, http://vozribatejana.blogspot.pt/2011/09/agrocamprest-propoe-fusao-adega-de.html

CONFRARIA DE NOSSA SENHORA DA SALVAÇÃO (Arruda dos Vinhos)

CONFRARIA DO SANTÍSSIMO SACRAMENTO (Arruda dos Vinhos)

IRMANDADE DAS ALMAS (Arruda dos Vinhos)

IRMANDADE DO GLORIOSO SÃO PEDRO (Arruda dos Vinhos)

IRMANDADE DE NOSSA SENHORA DA AJUDA (Arranhó – Arruda dos Vinhos)

Fonte:  http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/artigo2201.PDF

A ACIS – Associação de Comércio, Indústria e Serviços dos Concelhos de Vila Franca de Xira e Arruda dos Vinhos assinalou, na terça-feira, dia 8, os seus 100 anos de existência, com homenagem a cerca de 200 associados com mais de 25 anos de filiação. Nos próximos meses a ACIS pretende iniciar um processo de revisão de estatutos que a torne mais abrangente, de modo a envolver mais as profissões liberais e as empresas ligadas às novas tecnologias.

A fundação da ACIS data de 8 de Novembro de 1905, altura em que o rei D. Carlos I aprovou os estatutos da então “Associação de Classe Commercial e Industrial de Villa Franca”, que tinha por objectivo a defesa dos interesses económicos dos seus associados; a sua representação perante os poderes constituídos e a instrução e convívio dos associados, seus filhos e empregados.

Em 1943, passou a denominar-se Grémio do Comércio dos Concelhos de Vila Franca de Xira e Arruda dos Vinhos. Após o 25 de Abril, mudou para “Associação do Comércio e Indústria” destes dois concelhos e, já na década de 90, foram alterados os estatutos e acrescentada no seu nome a palavra “Serviços”, ficando com a designação que tem actualmente.

A ACIS tem cerca de 1600 associados dos três ramos de actividade que comporta e conta com a colaboração de vários profissionais que prestam consultoria nos gabinetes de apoio ao associado: a nível administrativo, jurídico, do licenciamento; da comunicação e imagem; consultoria em gestão e fiscalidade e aconselhamento económico e financeiro. Desenvolve, também, cursos de formação profissional, campanhas de promoção do comércio local e participou na organização da Xiraexpo.

Fonte: http://www.oribatejo.pt/index.php?lop=conteudo&op=03afdbd66e7929b125f8597834fa83a4&id=d9092432cf93294c7d6d2e076c6a3fdf&drops%5Bdrop_edicao%5D=14&drops%5Bdrop_edicao%5D=14

O Instituto da Droga e Toxicodependência (IDT) falha na fiscalização às entidades convencionadas, diz um relatório do Tribunal de Contas relativo ao ano de 2006.

O documento diz que o instituto até cumpre o seu programa operacional, com destaque para os atendimentos e para a reinserção de ex-toxicodependentes. O grande problema, diz o Tribunal de Contas, é o registo de comunidades terapêuticas com grande número de altas não programadas e às quais o IDT pouco fiscaliza.

A auditoria, feita por amostragem, incluiu apenas dois centros atendimento públicos e cinco comunidades terapêuticas privadas que têm contratos com o IDT.

A maior falha apontada pelo Tribunal é que o Instituto da Droga apenas tem três pessoas para fiscalizar as 58 comunidades terapêuticas que licenciou. Em resultado disso não há controlo efectivo, nem sobre a qualidade dos tratamentos nem sobre a gestão dos dinheiros que recebem do Estado.

Neste pequeno grupo, o tribunal detectou mesmo uma comunidade terapêutica de Arruda dos Vinhos sem contabilidade organizada nem documentos que permitam aferir a prestação de contas, pelo que acabou por ver suspensa a licença de funcionamento por, pelo menos, por três meses.

Quanto aos CAT, os Centro de Atendimento de Toxicodependentes, só foram avaliados os de Portimão e o das Taipas, em Lisboa. O tribunal verificou que falta supervisão e coordenação central, não fazem planos de acção, apenas relatórios anuais, têm pouco registo da evolução dos utentes e, sobretudo, não controlam eficazmente a distribuição de metadona..

Entre as comunidades terapêuticas analisadas pelo Tribunal de Contas não está a “Ares do Pinhal”, que já levou o presidente do IDT a uma audição parlamentar por suspeita de favorecimento.

Fonte: http://www.rr.pt/InformacaoDetalhe.aspx?AreaId=23&SubAreaId=79&ContentId=233328

DIA 1 e 2 de DEZEMBRO (SÁBADO e DOMINGO)

LOCAL: FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

“AJUDE-NOS A AJUDAR!”

Estaremos no:
Parque de Estacionamento do INTERMARCHÉ

Largo da Camara Municipal de Arruda dos Vinhos                

HORÁRIO :  
MANHÃ :  (10 h às 12H30)   
TARDE :     (14 h às 17h)

Esta campanha reverterá a favor das CONFERÊNCIAS DE S.VICENTE PAULO em Arruda dos Vinhos. Trata-se de uma Instituição que presta a pessoas de fracos recursos económicos, auxílio e assistência, quer a nível de fornecimento de bens alimentares, quer a nível  fornecimento de vestuário e calçado. 

O Hospital Reynaldo dos Santos, em Vila Franca de Xira, inaugura esta sexta-feira uma nova incubadora de cuidados intensivos a instalar na unidade de neonatologia para substituir um equipamento com mais de 20 anos.

As Câmaras Municipais de Vila Franca de Xira, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Azambuja e Benavente comparticiparam cada uma com dois mil euros a aquisição do equipamento que custou dez mil euros.

A unidade de neonatologia do hospital tem uma lotação de nove camas e possui um parque de nove incubadoras, tendo a mais antiga cerca de vinte anos carecendo por isso de substituição atendendo “à evolução tecnológica na área médica”.

Fonte: O Mirante

http://www.omirante.pt/index.asp?idEdicao=51&id=17047&idSeccao=424&Action=noticia

Não há receitas milagrosas, começa por dizer José Melícias, delegado da Matemática do ensino básico do Externato João Alberto Faria. Mas há seguramente factores que explicam como é que o estabelecimento de ensino de Arruda dos Vinhos levou este concelho a distinguir-se como o único em todo o país a apresentar uma média no exame nacional de Matemática do 9.º ano superior a 3 valores (numa escala de 1 a 5), em 2006.

“Há um grupo de professores relativamente estabilizado, alguma cultura de escola que tem a ver com a exigência, um grupo de Matemática pouco atreito a algumas inovações pedagógicas [saber a tabuada é mais importante do que saber utilizar a calculadora, interdita no 2.º ciclo]”, explica José Melícias.

Já em 2005, os alunos de Arruda, distrito de Lisboa, tiveram a classificação média mais alta (2,66) – nenhum concelho chegou à positiva.
Recusando a ideia de que na escola se “trabalha para os exames” – o objectivo é que “adquiram as competências necessárias para o ensino secundário”, reforça Rafaela Pessoa, delegada de Português -, o facto é que os resultados dos 156 alunos internos que fizeram a prova de Matemática no ano passado são motivo de orgulho. “Até 2005, ninguém sabia se estávamos a trabalhar bem ou mal. Ficámos com a prova de que estávamos no caminho certo”, defende José Melícias.

Os dados compilados pelo Júri Nacional de Exame, e que apresentam o cálculo das médias por concelho, não permitem apurar qual o estabelecimento de ensino do país com a classificação mais elevada. O facto de todos os concelhos do país, à excepção de Arruda dos Vinhos, apresentarem valores médios inferiores a 3 não significa que não haja em cada uma dessas regiões uma escola com resultados positivos.

O que acontece em Arruda dos Vinhos é que o Externato João Alberto Faria é o único a leccionar o 3.º ciclo do básico. Ou seja, lembra José Melícias, a escola recebe “todo o tipo de alunos”, o que torna os resultados mais importantes. E por ser a única oferta do 7.º ao 12.º ano, o Ministério da Educação (ME) assinou um contrato de associação com a escola, subsidiando na íntegra a frequência de todos os seus 1400 alunos.

Pedagogicamente, o externato depende das orientações do ME, mas a contratação dos professores é da inteira responsabilidade da administração. “Antes do recrutamento entrevistamos os candidatos, explicamos o espírito desta escola e percebemos logo se têm o perfil pretendido”, explica Isabel Vinhas, directora pedagógica do 3.º ciclo.
Empenho, disponibilidade e espírito de grupo é pois o que se pede aos cerca de 140 docentes, muitos deles há mais de 15 anos no externato.
Sendo que o Português e a Matemática são as duas disciplinas em que a escola mais investe, admite Isabel Vinhas. “Por isso começam a ver-se resultados. É fruto de muito trabalho dos alunos e dos professores.”

Há já vários anos que a área do Estudo Acompanhado é dedicada apenas a estas duas disciplinas. Terminando as aulas do 9.º ano, os docentes asseguram horas complementares de preparação para os exames de Português e Matemática e as que mais forem precisas só para o esclarecimento de dúvidas.

Laboratórios, quadros interactivos oferecidos pela Caixa de Crédito Agrícola depois dos bons resultados de 2005, directores de ano que fazem um acompanhamento permanente dos alunos são outros factores apontados por Isabel Vinhas para explicar a boa prestação do externato.
No final de cada período, os melhores entram para os quadros de honra, expostos à entrada da escola. Os próprios professores começaram entretanto a ser avaliados pelos alunos.
Mas, acima de tudo, reforça José Melícias, é a partir do “esforço e trabalho” de todos que se conseguem resultados. “A massificação do ensino levou a um menor grau de exigência. Mas a Matemática não se tornou mais fácil e mantém as dificuldades próprias da disciplina”, conclui.

Ao contrário do que acontece na maioria dos estabelecimentos de ensino nacionais, em 2006 os alunos do Externato João Alberto Faria tiveram melhores notas no exame nacional de Matemática do 9.º ano do que na avaliação feita pelos seus próprios professores no final do ano lectivo.
Se a nível nacional a diferença média entre nota interna e classificação externa ficou nos 0,6 valores (numa escala de 1 a 5), na escola de Arruda dos Vinhos os resultados do exame foram ligeiramente superiores (em 0,07 valores).
A Língua Portuguesa, as classificações foram praticamente idênticas, com os alunos a conseguirem a terceira melhor média a nível de concelho (99 por cento tiveram positiva).

Boa preparação e elevada exigência na escola ajudarão a explicar os números. Aliás, a fama é conhecida no concelho e arredores.
Tiago Esteves, 16 anos, a frequentar o 10.º, está já a preparar a candidatura a Medicina. Fez as contas às notas e decidiu mudar de escola. Trocou uma pública em Alenquer pelo externato de Arruda, sabendo que “o nível de exigência dos professores pode ser compensado pelos resultados nos exames, que normalmente tendem a ser melhores, ao contrário do que acontece noutros sítios”, explica.
A meio do passado ano lectivo apanhou o primeiro susto. O professor de Matemática fez um teste “muito difícil” e Tiago teve uma das notas mais baixas da sua vida – “quase negativa”. “Isso levou-me a batalhar mais”, conta o aluno, que acabou por ter 5 no exame nacional.
“Os professores motivam-nos e explicam a matéria de uma maneira que a gente percebe. Apresentam as coisas como se fossem uma espécie de desafio e temos vontade de estudar e ir mais longe. É um trabalho mútuo”, corrobora Eduarda Veríssimo, 16 anos.

O facto de os alunos do 5.º ao 11.º realizarem a todas as disciplinas “provas globalizantes” no final do ano lectivo, desde 2003, também pode ajudar à preparação e a diminuir os níveis de ansiedade quando se apresentam a exame. Os testes obedecem exactamente à mesma lógica das provas nacionais. Realizam-se à mesma hora, são anónimos, feitos na presença de vigilantes e os professores que os corrigem não fazem ideia de quem são os testes que têm à frente.

 Fonte: http://www.appefis.org/noticias_detalhes.asp?codnoticia=1413&inicio=130

A antiga morgue e casa de velórios do Hospital de Vila Franca de Xira estão transformados num moderno gabinete de medicina legal equipado para realizar autópsias e exames periciais com a participação de especialistas em qualquer parte do mundo. O sistema de vídeo-conferência com recurso a câmaras e microfones vai permitir ao médico legista e restantes técnicos trocar impressões com um perito que esteja numa faculdade, numa cínica, num hospital ou noutro local onde seja possível aceder a um computador. Desta forma poupa-se tempo e dinheiro com deslocações e pagamentos de honorários.

O gabinete anunciado pelo Ministério da Justiça em 2005 está pronto há vários meses, mas falta o pessoal para lhe dar vida. O coordenador foi nomeado e a tutela está a preparar um concurso interno para recrutar técnicos e administrativos. Dada a natureza das funções, não será fácil, e a maior dificuldade está no facto de o ministério ter de recorrer a um concurso interno porque não é permitido abrir novas vagas na função pública.

A abertura do gabinete está dependente da vontade de alguns funcionários pedirem a transferência para Vila Franca de Xira.

Enquanto o gabinete não entra em funcionamento, os corpos dos falecidos são enviados para o Instituto de Medicina Legal de Lisboa, situação que provoca atrasos na realização dos funerais e despesas acrescidas para as famílias. O gabinete vai servir as comarcas de Alenquer, Azambuja, Benavente Vila Franca de Xira e Arruda dos Vinhos que envolvem uma população total de mais de 200 mil pessoas. Neste gabinete será permitido fazer também exames com vivos a pedido dos tribunais para confirmar agressões, violações, abuso sexual e outros tipos de crimes contra a integridade física.

Segundo o secretário de Estado Adjunto da Justiça, este equipamento “vai permitir ao serviço ter melhor qualidade e também ajudar nas investigações criminais”. Conde Rodrigues anunciou no último Congresso da Medicina Legal, em Novembro, a criação de 25 gabinetes médico-legais ligados em rede até 2008. Depois da Figueira da Foz serão abertas cinco novas unidades, entre as quais, Vila Franca de Xira. O secretário de Estado frisou que com esta medida o Estado consegue uma poupança “significativa”.

Fonte: http://semanal.omirante.pt/index.asp?idEdicao=272&id=31806&idSeccao=3796&Action=noticia

O Município de Arruda dos Vinhos integra a Comissão Instaladora da Vinipolis – Associação de Municípios Portugueses do Vinho.

Decorreu, no passado dia 27 de Novembro, na Câmara Municipal da Mealhada a segunda reunião com vista à criação da Associação de Municípios Portugueses do Vinho – Vinopolis.

Nesta reunião ficou decidido que a sede desta nova Associação ficará instalada no Museu Rural e do Vinho do Concelho do Cartaxo. Os objectivos desta nova entidade serão: Promoção da viticultura; a valorização dos recursos naturais, históricos, culturais e ambientais; a promoção de iniciativas inovadoras, como a criação de redes de museus e enotecas nacionais; o incentivo ao desenvolvimento económico local mediante uma oferta turística integrada, fundada na qualidade do território, dos produtos e dos serviços; a intenção de integrar esta Associação na Rede Recevin – Rede Europeia das Cidades do Vinho e a cooperação entre os vários Municípios aderentes a este projecto.

Nesta reunião foi também aprovada constituição sa Comissão Instaladora, que será composta pelos Municípios de Alpiarça; Arruda dos Vinhos; Borba; Cadaval; Cartaxo; Lamego; Mealhada; Palmela e Vidigueira.

A primeira reunião da Comissão Instaladora ficou marcada para o dia 7 de Fevereiro de 2007, e terá lugar na Câmara Municipal de Lamego, para aprovação dos objectivos da Vinopolis e adesão de novos Municípios a esta Associação. Nesta reunião também irão ser apresentadas várias propostas para o funcionamento da Vinopolis, para o ano de 2007.

Fonte: http://www.x-centrico.com/festadovinho2007/index.php?p=ampv

O centro de distribuição postal de Arruda dos Vinhos deverá passar para a cidade de Alverca. A mudança insere-se no projecto dos CTT que segundo os trabalhadores pretende entregar a gestão da estação de Arruda a um privado e transferir os funcionários para Alverca.

A administração dos Correios de Portugal (CTT) ainda não divulgou os moldes em que vai efectuar a mudança, mas fonte da empresa confirmou a intenção de deslocar o centro de distribuição postal.

O processo não se revela pacífico. No início deste mês, mais de quatro mil habitantes do concelho de Arruda dos Vinhos subscreveram o abaixo-assinado que contesta a eventual transferência para Alverca.

O documento foi entregue ao presidente da Câmara de Arruda e enviado ao presidente da Assembleia da República. Os carteiros de Arruda já fizeram uma greve de 24 horas e estão a fazer greve às horas extraordinárias.

Fonte: http://semanal.omirante.pt/index.asp?idEdicao=174&id=16297&idSeccao=2198&Action=noticia