Archive for Abril, 2008



II Passeio Pedestre do Arrudense

Dia: 25 de Maio de 2008 (Domingo).

Hora de Partida: 9h00
Dificuldade: Média Baixa
Duração: +/- 3h30m
Distância: 16 Quilómetros

Local de encontro: Clube Recreativo Desporto Arrudense (Sede)

Recomendações:
– Calçado apropriado.
– Comida para o passeio: sandes, barras energéticas, fruta, etc.
– Água
– Boa disposição.

Organização:
Clube Recreativo Desportivo Arrudense (Arruda dos Vinhos)

Mapa do Percurso:
Ver mapa do percurso

Anúncios

Um carteiro de Arruda dos Vinhos não ganhou para o susto quando ia de mota distribuir correio e ouviu o som de um objecto a cair na estrada tendo depois verificado que era “uma pedra de gelo azul”.

“Se me tivesse caído em cima da cabeça tinha morrido de certeza já que com a velocidade que veio abriu uma pequena cratera no solo”, contou hoje à Lusa Eduardo Jorge.

O carteiro, que ainda não encontrou explicações para o sucedido na terça-feira ao fim da manhã, disse que “apanhou um grande susto pois não viu a pedra mas ouviu um barulho de algo a bater na estrada” muito perto dele quando se encontrava no meio de uma zona praticamente deserta.

“Não sei o que será isto (a pedra de gelo e de tom azul esverdeado que agora está guardada num frigorífico), um conhecido disse-me que são descargas dos aviões, o problema é que me podia ter matado”, disse Eduardo Jorge enquanto recordava o que lhe aconteceu.

“Ainda parei uns metros à frente a pensar que era alguém a atirar pedras mas não vi ninguém”, disse.

O carteiro decidiu então aproximar-se do objecto, que entretanto tinha escorregado para a valeta.

“Vi que tinha provocado uma cratera e reparei que havia bocados de gelo azul espalhados pelo chão. Ainda mexi naquilo com um pau mas depois fui embora distribuir o correio à (aldeia da) Tesoureira”, relatou Eduardo Jorge.

Passadas cinco horas, e depois de ter contado o sucedido aos colegas do posto dos correios de Arruda dos Vinhos e, entre uns os que “se riram” da sua história e outros mais curiosos decidiram “ir buscar o objecto”.

Chegados aos correios pesaram a pedra que “ainda pesava 575 gramas” e decidiram colocá-la no frigorífico.

“Não sabemos para onde enviar a pedra, se não fosse época de férias ainda a entregava na escola mas assim não sei o que fazer”, disse Eduardo Jorge.

Segundo explicou à Lusa o porta-voz da TAP, António Monteiro, “não parece muito crível que tenha sido gelo de um avião até porque nesse local os aviões estão a voar a uma altura muito baixa (estão a três/quatro minutos do aeroporto da Portela) e já não trazem gelo nenhum”.

“Em teoria pode ser possível mas não é de todo crível. Mesmo que um avião traga gelo de algum país frio quando chega a Portugal, a uma velocidade de 900 quilómetros/hora, já não há gelo”, sublinhou o porta-voz da transportadora portuguesa.

Fonte: http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1323758