Archive for Agosto, 2011


Arruda dos Vinhos: Arruda BTT XP

?

Evento de bicicletas de todo o terreno (BTT) aberto a todas as pessoas.

Uma organização da Paróquia de Arruda dos Vinhos com o objetivo de angariar fundos para as obras paroquiais.
http://www.arrudabttxp.com
 
Paróquia de Arruda dos Vinhos
Rua 5 de Outubro, n.º 49, 1.º
2630-205, Arruda dos Vinhos
maratona@arrudabttxp.com 
 
Local: Arruda dos Vinhos

Anúncios

16-09-2011
   
09:00  ›   Alvorada de 21 tiros a anunciar o início das festas  
15:00  ›   Música difundida por aparelhagem sonora
20:00  ›   Abertura do Bar da Comissão de Festas, com bebidas e petiscos
20:30  ›   Abertura da Quermesse, com valiosos prémios 
21:00  ›   Atuação de grupo de Hip-Hop “Unnamed Crew” 
22:30  ›   Largada de Touros da Ganadaria Caseirito, seguindo-se a noite da sardinha assada e pão, oferta da Junta de Freguesia de Cardosas. 
 
17-09-2011
  
08:30  ›   Concentração para o Passeio de BTT, organizado pelo Clube Desportivo, Recreativo e Cultural de Cardosas 
09:00  ›   Alvorada
09:15  ›   Partida para o Passeio de BTT 
10:00  ›   Missa por alma dos paroquianos falecidos 
11:30  ›   Música difundida por aparelhagem sonora 
14:30  ›   Abertura do Bar da Comissão de Festas, com bebidas e petiscos. Abertura da Quermesse com valiosos prémios  
15:00  ›   Atuação do “Grupo de Cavaquinhos da Associação de Reformados, Pensionistas e Idosos de Alverca” 
16:00  ›   Atuação do Grupo de Danças Oriental do Clube Recreativo Desportivo Arrudense  
17:00  ›   Largada de vacas da ganadaria Caseirito  
21:00  ›   Início do arraial, no Largo das Cardosas, com o “Grupo de Baile Via Láctea”  
21:00  ›   Oração de vésperas e confissões, na Igreja 
23:00  ›   Atuação, no Largo das cardosas, do artista “Flávio Serrinha” 

18-09-2011
   
08:00  ›   Alvorada
08:00  ›   Abertura do Bar da Comissão de Festas, com bebidas e petiscos  
08:30  ›   Concentração para o 8.º Passeio de Vespas (só vespas) 
09:30  ›   Partida do 8.º Passeio de Vespas, pelo Concelho de Arruda dos Vinhos 
12:00  ›   Chegada das Vespas, seguindo-se o almoço para os participantes e inscritos 
13:00  ›   Música difundida por aparelhagem sonora  
14:30  ›   Chegada da “Banda de Música da Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos”
15:00  ›   Abertura da Quermesse, com valiosos prémios
15:45  ›   A Banda de Música acompanhará os Juízes da Festa: Cláudia Filipa Neto da Silva e Frederico Oliveira Martins, à Igreja
16:00  ›   Missa solene em Honra do Padroeiro S. Miguel Arcanjo     
17:00  ›   Procissão em Honra de S. Miguel Arcanjo, acompanhada pela “Banda de Música da Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos”     
18:30  ›   Concerto pela “Banda de Música da Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos”
21:00  ›   Inicio do Arraial, no Largo de Cardosas, com o grupo de baile “Raul e Eu + Empregados”
22:00  ›   Atuação da Marcha do Clube Recreativo Desportivo Arrudense. Continuação do Arraial

04-09-2011
08:30  ›   Passeio Pedestre
09:30  ›   Atletismo – Grande Prémio Nossa Senhora da Ajuda    
16:00  ›   Pamplona com troféu para melhor pega  
 
07-09-2011
08:00  ›   Alvorada
21:00  ›   Chegada da “Banda Filarmónica da Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos”, seguindo-se os cumprimentos aos moradores e à Irmandade    
22:00  ›   Procissão de Velas
Da Capela de Nossa Senhora da Ajuda para a Igreja Paroquial de Arranhó, acompanhada pela “Banda Filarmónica da Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos”, terminando com a Celebração da Palavra.  
 
08-09-2011
08:00  ›   Grandiosa Alvorada
09:00  ›   Chegada da “Banda de Música Pinheiro da Bemposta” e da “Banda Marcial de Bairros”, seguindo-se os cumprimentos aos moradores, aos visitantes e à Irmandade
10:15  ›   Chegada das entidades oficiais convidadas, que serão recebidas pela Irmandade e pelas Bandas
10:30  ›   Partida das Bandas para Arranhó
11:00  ›   Início da celebração na Igreja Paroquial de Arranhó
A que se segue a Majestosa Procissão, para a Capela de Nossa Senhora da Ajuda, com a imagem da Padroeira Nossa Senhora da Ajuda e outras imagens, acompanhada pela “Banda de Música Pinheiro da Bemposta” e pela “Banda Marcial de Bairros”. A Guarda de Honra será feita pelos Bombeiros Voluntários de Arruda dos Vinhos e pelo Regimento de Cavalaria da GNR. Como habitualmente esta procissão será integrada por diversas entidades oficiais, alas de anjos e milhares de fiéis. Termina com Missa Campal e Pregação.
16:00  ›   Abertura da Quermesse, abrilhantada com um magistral concerto alternado pelas duas Bandas.
17:00  › 20:00  Adoração do Santíssimo Sacramento
18:00  ›   Celebração do Sacramento da Reconciliação
19:30  ›   Oração de Vésperas
01:00  ›   Deslumbrante e Grandioso Fogo de artifício 

09-09-2011
08:00  ›   Alvorada     
09:00  ›   Chegada da “Banda Filarmónica da Sociedade Musical de Instrução e Recreio Aljustrelense” que apresentará cumprimentos à população, às entidades oficiais, às coletividades, aos visitantes e à Irmandade
09:30  ›   Perícia Automóvel e Moto Quatro com valiosos troféus
17:00  ›   Procissão
No lugar de Nossa Senhora da Ajuda, acompanhada pela “Banda Filarmónica da Sociedade Musical de Instrução e Recreio Aljustrelense”, seguida de Missa Solene em honra da Padroeira
19:00  ›   Abertura da Quermesse    
22:00  ›   Concerto ao vivo com a banda “Quinta do Bill”.
Baile após o concerto com a “Banda Demais”, até às 3 horas da manhã  
 
10-09-2011
08:00  ›   Alvorada
10:30  ›   Gincana de bicicletas
14:00  ›   Abertura da Quermesse
17:00  ›   Espetáculo com o artista “Quim Barreiros”     
22:00  › 03:00  Baile Fim de Festa com a banda “Nova Onda”

– Praça de Toiros: Arruda dos Vinhos
– Data: 16/08/2011
– Empresa: Sociedade Campo Pequeno, S.A. – Tertúlia “A Periquita”
– Ganadarias: Manuel Coimbra (lide a cavalo) e Manuel Veiga (lide a pé)
– Cavaleiros: Luís Rouxinol e João Ribeiro Telles Jr.
– Forcados: Amadores de Vila Franca de Xira e Aposento da Moita
– Matador: António Ferrera
– Assistência: ¾ de casa

Noite para esquecer aquela que se viveu esta Terça-Feira em Arruda dos Vinhos. Uma “mansada” e muito mal apresentada corrida de Manuel Coimbra para cavalo e um matador espanhol que fez de tudo menos tourear deitaram por terra um cartel que até tinha o seu atractivo, transformando a corrida num verdadeiro calvário para os espectadores, onde se contaram pelos dedos das mãos os motivos de interesse.

Abriu praça o consagrado Luís Rouxinol que frente a um “Coimbra” manso de livro, alto, excessivamente “aleonado” e feio de cara, apenas pôde puxar de recursos para dar lide a um toiro que fugia literalmente do cavalo. Andou o cavaleiro extremamente esforçado na brega, expondo ao máximo para alegrar e interessar o cornúpeto, mas de nada serviu e os ferros foram caindo no cachaço do manso sem pena nem glória, numa lide em que apenas se destaca o verdadeiro empenho de Rouxinol em sacar água de um poço completamente seco.

Ás 10:52hrs (!!!) saiu o primeiro para João Telles Júnior, em substituição de um outro, claramente afectado da visão, que o director de corrida entendeu por bem levar uma eternidade a devolver. Novamente um animal com uma cara e hastes inapresentáveis, que teve como principais virtudes a saída a todo o gás e uma codícia e arrancadas intermitentes, de preferência quando sentia poder apertar o cavaleiro junto às tábuas. Talvez por esta característica andou o jovem ginete bastante precavido nas bregas, embora tenha deixado uma boa série de curtos, com especial destaque para o quarto, partindo de curros para o centro e conseguindo uma excelente reunião. Fica a ideia que com um pouco mais de aposta teria conseguido redondear a lide, uma vez que, apesar de difícil, o “Coimbra” não queria (ou podia) comer ninguém. Humilde e talvez reconhecendo que podia ter feito mais, apenas agradeceu no centro da arena.

O quarto da noite, no mesmo estilo dos irmãos de camada, com falta de cara, manso e a cortar caminho nas raras investidas que teve, adiantando-se bastante nas reuniões, desconcertou por completo Luís Rouxinol, que nunca se conseguiu sobrepor às dificuldades do adversário, cravando uma série de ferros à garupa. Agradeceu discretamente junto à porta de cavalos.

Fechou a noite de “cavalaria” João Telles Jr. que mostrou não estar no seu dia: o sobrero era também um toiro pobre de cara, mas mais forte que os restante e ofereceu um par de boas investidas, não aproveitadas pelo cavaleiro, que se empenhou em “quiebros” desajustados, não adequados à lide que o oponente pedia. Fica na retina pela negativa a primeira tentativa no curto inicial, em que o toiro se arrancou de praça a praça e o ginete desperdiçou por completo a bela investida, ao tentar um “quiebro” a destempo e sem sentido.

Noite menos feliz também para os forcados, em muito motivada pelas descompostas investidas dos “Coimbras”, raramente empregando-se no galope e na maior parte dos casos a ensarilhar com a cara muito por baixo. Abriu praça pelo Grupo de Vila Franca, Ricardo Patusco, consumando à segunda uma pega rija nos primeiros dois derrotes, muito bem ajudado por Emanuel Matos. A primeira pega do Aposento da Moita foi efectuada, sem brilho, à terceira tentativa, com o toiro a meter mal a cara na primeira, a despachar o forcado com um derrote lateral na segunda e a deixar-se pegar a choto, com o grupo em bloco, não obstante o forcado não lhe ter alegrado a investida. O segundo dos vila-franquenses foi também pegado ao terceiro intento, por intermédio do jovem Rui Godinho, que não teve hipóteses no primeiro encontro, com o toiro a ensarilhar e parece ter adiantado ligeiramente a perna no segundo, dando sinal ao adversário para o despachar logo pelas canelas. Pegou finalmente com todo o grupo demasiado colado atrás de si, o que levou a que três forcados fossem lançados pelo ar e caíssem de lado do toiro, valendo a decidida e providencial intervenção do terceiro ajuda, Bernardo. Encerraram os homens do Aposento, também à segunda, numa barbela bonita, com o toiro a derrotar alto mas sem despachar e uma excelente primeira ajuda de lado, com o restante grupo a tapar bem a cara toiro do oponente.

De António Ferrera, perdoem-me os numerosos “fans” presentes, mas pouco há a dizer: toureia “a duzentos”, com muita voz pelo meio, em meios passes vertiginosos, raramente correndo a mão e assentando a planta. Aplicou esta fórmula quer ao complicado primeiro, que se virava muito rapidamente, quer ao nobilíssimo segundo, que só queria muleta e iria atrás dela até onde o levassem. Pena é que Ferrera queira sempre levá-los tão perto. Bandarilhou sem brilho e nem este tércio, que costuma praticar com espectacularidade embora nem sempre com verdade, o salvou. Nota positiva para os toiros de Manuel Veiga que, caso raro em Portugal, conseguiram o feito de sair melhor apresentados que os da lide a cavalo, embora também bastante cómodos de cara.

Neste 16 de Agosto arrudense, tragicamente marcado há 9 anos atrás pela perda do grande forcado vilafranquense, Ricardo Silva, a noite voltou a ser de infortúnio, não em termos (felizmente) de lesões, mas sim da qualidade do espectáculo. Espero sinceramente, amigo “Pító”, que do teu lugar de barreira eterno, tenhas decidido não assistir a esta.
O MAIS E O MENOS DA CORRIDA

– O Mais: A corrida decorreu sem intervalo, que para demora já bastava
– O Menos: As cortesias iniciaram-se com 10 minutos de atraso. A lamentável apresentação dos toiros de Manuel Coimbra. A qualidade geral do espectáculo

Fonte: http://bolasetetouradas.blogspot.com/2011/08/muito-pouco-para-contar-arruda-16-de.html

A presidente da Câmara de Vila Franca de Xira admite levar o Município de Arruda dos Vinhos a tribunal se este mantiver a sua posição de não pagar a parte que lhe deveria caber no custo dos acessos ao novo hospital. A autarquia arrudense alega que não pagará os perto de 200 mil euros em causa enquanto o Ministério da Saúde não lhe pagar mais de 100 mil euros respeitantes a um muro do novo Centro de Saúde de Arruda e acrescenta que também têm que ser pesadas a possibilidade de duas da suas freguesias passarem para a área do Hospital de Loures. A edilidade de Vila Franca não se conforma, diz que são questões distintas e acusa autarcas de Arruda de faltarem à palavra dada.

Certo é que a polémica promete arrastar-se. Arruda aguarda que os tribunais se pronunciem sobre a acção em que reclama mais de 100 mil euros da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) e Vila Franca decidiu avançar com a obra dos acessos mesmo sem a comparticipação de Arruda, mas garantindo que vai exigir a verba que competiria ao vizinho Município arrudense.
Maria da Luz Rosinha, presidente da Câmara de Vila Franca de Xira, lamenta a atitude dos autarcas de Arruda e especialmente do presidente da Câmara arrudense, frisando que “há um compromisso assumido por todos os municípios” que só Arruda não estará a cumprir. “A questão poder-se-á resolver em tribunal. Não há problema”, disse a autarca socialista ao Voz Ribatejana, dizendo que é tudo uma opção do presidente da edilidade de Arruda. Já Carlos Lourenço explica que a Câmara arrudense não pode estar a avançar dinheiro para uma situação que deveria competir ao Ministério da Saúde quando este nunca quis resolver o problema do pagamento do muro do centro de saúde. Alega, ainda, que Arruda vai ser o município mais prejudicado com a nova localização do hospital.
Fonte: http://vozribatejana.blogspot.pt/2011/06/camara-de-vila-franca-ameaca-processar.html